quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Do futuro

Bebo uma cerveja. O frio passa em frente à minha janela. As luzes do quarto apagadas. Eu olho pela janela. Eu penso.

Outro gole. Tiro os óculos e de repente minha visão se embaça. Vejo luzes e escuros desfocados. O frio passa. Olho pro relógio: é tarde, muito tarde. Eu penso.

O computador toca Cafe Tacuba. É incrível como a língua espanhola é melancólica, e ao mesmo tempo tão bela. Outro gole. E eu penso no futuro.

O futuro...o futuro promete e ao mesmo tempo distancia. O futuro poderia ser belo como uma música do Cafe Tacuba. Poderia ser simples. Mas a simplicidade não combina com Deus. Deus exige o complexo, o caos, a provação. Deus exige atenção.

Deus exige.

Outro gole. Abro a janela e o frio entra e me envolve. Me deixo ficar. O futuro está próximo. El futuro es mañana. Una mañana linda...

A cerveja termina. O frio continua. O futuro, em um mês, dará provas de existência. "Espero que Deus não seja tão sarcástico comigo", estava escrito no livro.

"Amém", disse o poeta, últimas palavras, lucidez completa.

Depois, silêncio. 

4 comentários:

  1. Fantastico.
    principalmente o Deus exige.
    vamos tomar uma sim quando voce vier
    aoo fiao

    ResponderExcluir
  2. Porque o futuro nos embreaga com suas promessas entorpecentes.
    Porque Deus exige demais, mas faz muito pouco.
    Ahhh...o caos...sempre a nos perseguir com seus passos longos.

    E o frio não cessará!

    belo texto.
    xerinho.

    ResponderExcluir
  3. e já havia me esquecido de mencionar que: seu blog é bem aconchegante e seus textos então...parabens pelo blog!

    ResponderExcluir

Falhe conosco