sábado, 9 de abril de 2011

Delírio


Era a vida a fugir
com as pernas
do delírio.

Era o caos.
Do cão,
o frio.
E a morte
à espreita.

- Mas do quê se foge?

Sei que quis.
Mas o rio deságua
na foz
da amargura.

- Mas do quê se foge?

A distância matou-me
com direito a replay
a replay

Mas era a
vida a fugir com
as pernas
do delírio.

Rei do mundo,
Rei do azul,
cri na vida e
caí na poça sem fundo
dentro do poço do calabouço
do engano-mundo.

- Mas do quê se foge?

Tentei.
Mas tentar exige estímulos
que são gerados por uma
força.


Mas se a força não
existe,
o que se cria
é o nulo:
uma ilusão de vida
besta.

Besta!

- Mas do quê se foge?

A ilusão, porém,
persiste.
Apesar de nula
eterna é a força,
e cíclica é,
e é eterna.

E o círculo não morre
jamais.

Mas a vida
fugiu
com as pernas do
delírio.

2 comentários:

  1. O que são os poetas?
    Quem poderá me responder?
    Dizem que eles vieram do céu
    Numa cauda de cometa
    Esses seres que outrora foram estrelas
    E aqui na Terra são vistos como loucos,
    Banais como tantos outros
    Mas o que ninguém sabe
    E que ninguém nunca irá saber
    É que os poetas são seres transcendentes
    De uma capacidade inigualável
    De se colocar no lugar de qualquer ser

    ResponderExcluir
  2. porra alemão!
    eu fujo dos meus leitores...
    mas cada um foge do que acha melhor.. euheuhe. abraço

    ResponderExcluir

Falhe conosco