quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O Assassino do Imortal

Normalmente não falo sobre futebol. Não que eu não goste, mas porque não vejo necessidade. Aliás, poucos sabem, mas só não fui jogador profissional por escolha. Por escolha do técnico, obviamente.

Mas enfim, eis-me aqui a falar de futebol. (Uma breve síntese: meu time italiano caiu pra série B e meu time brasileiro está quase lá. Isso sem falar na seleção, que dispensa comentários).

Confesso, o Grêmio tá uma porcaria. Mas ao contrário de muitos torcedores tricolores, eu não comemorei quando anunciaram o Celso Roth. Inclusive considero que comemorar a chegada do Roth em qualquer time que seja é admitir que se está no fundo do poço. E, muito embora estejamos ali perto, é sempre mais conveniente negar.

O que mudou no time do Grêmio do Brasileirão do ano passado, quando ficamos na zona Libertadores, para este? Quase nada, três ou quatro nomes. Então sabe-se que capacidade temos. Falta somente algo para fazer essa cambada jogar bola. E este algo não se chama Celso Roth.

Há semanas eu não via nenhum jogo, e inclusive deixei de ver o Gre-nal já imaginando uma derrota histórica. Mas não, o time, dizem, jogou bem e ganhou. Porém fiquei meio assim: Celso Roth não consegue jogar bem e ganhar durante muito tempo. Há algo de podre no reino da Dinamarca.

Hoje decidi tomar umas geladas enquanto assistia o que deveria ter sido a reviravolta final do Grêmio no campeonato, não fosse o Roth no comando. O Curinthia vinha de uma crise, jogando mal em casa, sequencia de derrotas, nós embalados pela vitória no clássico, tinha tudo para dar certo.

E estava dando, tanto que no início do segundo tempo tínhamos 2 jogadores a mais e precisávamos de apenas um golzinho pra pelo menos trazer um ponto fora de casa. Era óbvio que conseguiríamos. Mas Roth nunca é óbvio.

Porém eu torcia. O chopp ia acabando, eu só não perdia meus cabelos porque já não os tenho mais. E, o pior de tudo, um corinthiano daqueles mala assistia o jogo na mesa do lado. Falei pro Roth: cara, se tu conseguir pelo menos empatar esse jogo pra esfregar na cara desse mala ali, te dou mais crédito e paro de falar mal de ti. Pelo menos até cairmos novamente pra segundona. Mas Roth não se convence tão fácil. Roth é, acima de tudo, ininteligível, inexplicável.

E no fim aconteceu o que já deveríamos saber que aconteceria. Com 2 (eu disse dois, two, due, dos, zwei!) jogadores a mais durante o segundo tempo inteiro, perdemos. Não sei como pude confiar no Roth por 45 minutos. Não sei mesmo. Um retranqueiro não saberia nunca como atacar, mesmo com superioridade numérica. Ou saberia? Não sei porque, mas desconfio que qualquer outro técnico teria vencido essa partida.

Contudo Roth não é qualquer. É pior que qualquer um.

Mas enfim, agora me despeço e, a não ser que o Grêmio ganhe algum título em 2011, não mais falarei de futebol neste espaço. E se no fim formos pra segundona, tenho o consolo que talvez poderei ver o tricolor jogar aqui com o JEC, que vem muito bem na terceirona e deve subir pra série B.

Até o ano que vem.





6 comentários:

  1. Te cuida que o JEC é o meu segundo time.

    ResponderExcluir
  2. Comparo o Burroth a um cavalo paraguaio de corrida! A arrancada é esplendorosa, depois acaba a pilha e fica lá na rabeira. Quanto ao grenal é só por ser clássico, aí a negada dá o sangue pra ganhar! E provoca essas ilusões no torcedor tricolor...

    ResponderExcluir
  3. Por falar nisso, vc teve alguma remuneração dessas propagandas aí? Le meu grogue e comenta o que tu acha do que aconteceu comigo. Auf wiedwersen alemão!

    ResponderExcluir
  4. porra alemão, não seja ãnsim! o roth eh bombeiro, vai nos tirar dessa...
    tenha fé, irmão!!!

    ResponderExcluir
  5. hahaha... Roth no retorno ao Grêmio: 5 jogos em casa, 5 vitórias.

    hahaha... nos últimos cinco jogos, 4 vitórias. Time na 12ª colocação, com um jogo a menos e uma evolução tática impressionante. Não sou fã do Roth, chamei muito de burro já, mas não posso negar que ele evoluiu muito e era o cara certo pro momento do Grêmio.

    Precisava-mos de um bombeiro e ele apareceu e ajeitou a casa. Além disso, a volta do Paulo Paixão (prep. físico) foi providencial pra tirar a barriga de chopp de alguns figurões do time... hehehe

    enfim, esse jogo com o Curintia foi bom mesmo com a derrota e agora já são 3 vitórias seguidas... só nos resta torcer pro "gás" do Roth não acabar logo ali... hehehe

    Abraço aee manolo alemão!

    ResponderExcluir
  6. bah, esqueci de falar do JEC. To na torcida pra subir pra B. Simpatizo com o JEC há anos...tomara que consiga subir.. hehe

    ResponderExcluir

Falhe conosco