sexta-feira, 30 de outubro de 2009

O fim da madrugada



No alvor do frio dos dias da cidade secular
Dos ventos, das gotas do orvalho que me circundam
O rio e a chuva que de umidade a cidade inundam
O outono das folhas mortas a alma congela devagar

Na madrugada ociosa, silente e abandonada,
nas alamedas desertas, nos becos escuros
abraça a cidade, como os antigos muros,
a voz sôfrega que jaz eternizada

pelos ecos, que dos sinos a toada
acompanha. A sombra, do nada,
surge sem que ninguém a veja

E sucumbe sob os raios da alvorada,
ouve-se o pranto de um'alma desgarrada
e o desespero pela última cerveja

2 comentários:

  1. Tava tudo dentro do aceitavel ate o fim da cerveja

    ResponderExcluir
  2. O fato é um só ou vários, até porque a verdade é, e sempre será, sempre diversa. Faloww aeh alemao, belo poema. abraço

    ResponderExcluir

Falhe conosco