domingo, 16 de maio de 2010

A mosca e o fogo

A aranha trouxe a teia e mosca à teia veio. Trouxe a aranha a mosca à teia. Pobre mosca! Será o final que veio? Mas a mosca não bobeia, de tanto à teia vir, ateia fogo à teia e à aranha até. Esqueceu-se porém a mosca de que na teia também atada estava ela e tão bem atada que fugir da teia não tinha como. Aranha, mosca? Já era! Como fogo, teia incinerou aranha e mosca e a própria teia. Incinerou-se. Jaziam as cinzas das três atiradas no canto do chão do quarto escuro e flamejante que, por pura falta de noção da mosca, por ora está em chamas.

As chamas chamejantes chamejavam e a chamar ficavam. Chamavam o ar, clamavam por ar, mais ar, precisavam de ar para poder respirar, queimar, incinerar. As labaredas, como lavas recém expelidas de um vulcão ativo, escorriam para os céus, mais alto, mais alto, queimavam as folhas das árvores, as próprias ávores e quem mais desavisado se opusesse ao seu avanço. Lentamente, as labaredas avançavam. Mas eram tantas labaredas a lentamente avançar que rapidamente se alastravam. E não havia extintor que as extinguisse, bombeiros que as bombeassem ou aguás que as esfriassem. O fogo era quente, alto e altivo. Ardia, de volúpia, languidamente, a paixão corava as faces dos transeuntes. O fogo a queimar a vida aos poucos, a intoxicar os pulmões aos tantos e aos montes subindo, cavalgando suas gramíneas prateadas. O vapor emana da fogueira, fogos, fogos, fogões. O amor ao ar, é o fogo.

"De tanto amar e amar,
o que em nós queimar,

é o que nos vai podando.
Amar é libertar,
libertar-se das cinzas,

até ficar o fogo,
o seu trote frondoso,
o fogo, o fogo ainda."

______________________________________________________
Poema final: Carlos Nejar 


Publicado em 25 de julho de 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Falhe conosco